Zimbabwe

Famílias de apoio

Para Elube Phiri, que está a cuidar de sete netos sozinha, o apoio ao fortalecimento da família SOS permitiu que ela mantivesse as crianças na escola e satisfazer as necessidades básicas da sua família.

Para Elube Phiri, que cuida de sete netos sozinha, o apoio do fortalecimento familiar SOS permitiu manter as crianças na escola e suprimir as necessidades básicas da sua família.

Elube Phiri, 68 anos, tem câncer de mama, diagnosticado há quatro anos e teve uma mastectomia. Tem crises de dor que às vezes duram até duas semanas, e o tratamento do câncer fez com que Elube desenvolvesse problemas cardíacos.

No entanto a sua principal preocupação são os cuidados infantis. Elube tem sete netos que dependem dela. Cinco foram abandonados pelos pais e dois são órfãos. O mais velho tem 28 anos e o mais novo tem seis anos. A família mora em Chitungwiza, nos arredores de Harare, capital do Zimbabué.

"Eu sou demasiado velha para cuidar destas crianças. Ficaram órfãos muito cedo. Elas nem se lembram dos pais.” diz Elube.

 

Elube espalhando sua colheita de milho para secar. Foto: Tom Maruko

 

Satisfazer as necessidades básicas das crianças

Tem sido um grande desafio para cuidar das crianças. O marido dava-lhe uma grande ajuda, mas faleceu há 15 anos. A princípio, teve de trocar roupas por grãos para alimentar a família. Como não tinha como pagar as taxas escolares, três crianças não frequentaram a escola durante algum tempo.

Atualmente, a agricultura é a principal fonte de alimento. Ela cultiva com a ajuda do neto de 28 anos, que teve de abandonar os estudos por falta de dinheiro.

Chitungwiza é um bairro densamente povoado, com altos níveis de pobreza, falta de saneamento, com uma alta taxa de criminalidade. A escola mantém as crianças ocupadas e longe das ruas, protegendo-as de serem atraídas por vícios que afetam negativamente suas vidas.

"Devido à minha saúde, não posso trabalhar por muito tempo ou levantar objetos pesados. Eu passo o dia, a descascar milho para os meus netos comerem", diz Elube, sentada nos degraus que levam a sua casa.

 

Um futuro melhor

Elube teve formação SOS na área das finanças e gestão de pequenos negócios, para que possua os conhecimentos necessários para ser um membro produtivo no esquema de poupança e empréstimos da aldeia. A equipa SOS providenciou o material estacionário para as cinco crianças e começaram a pagar metade das taxas escolares enquanto Elube pagava o resto.

Elube ficou mais aliviada quando teve conhecimento de que a sua neta de 20 anos vai receber apoio na educação.

Para ganhar dinheiro, a avó vende lenha, roupas de segunda mão e utensílios de cozinha na beira da estrada em frente à sua residência.

“Emprestei 250 dólares da nossa associação local de poupança e empréstimos para aumentar as minhas ações e comprar uniformes para os meus filhos”, conta Elube.

Embora as demandas de cuidados infantis tenham diminuído, devido à sua idade avançada, ela diz que o padrão de vida da família melhorou significativamente devido ao suporte ao fortalecimento da família SOS. Elube agora tem um pouco de dinheiro extra e conseguiu pagar os utensílios de cozinha, consertar a geladeira e comprar um televisor para os netos.

“Eu quero economizar para poder investir na educação, pois sei que o apoio ao fortalecimento da família não vai estar sempre presente. Ainda não comecei a economizar, mas vou começar em breve. Além da escola, ensino coisas da vida aos meus filhos, e digo-lhes que não sejam preguiçosos.”


Fotos de Tom Maruko

 

Mais notícias

/* pageName= Zimbabué Famílias de apoio pagePrefix= breadCrumb=Notícias / ATUALIDADES / Notícias do Mundo / Zimbabué Famílias de apoio mainDomain=aldeias-sos.org langIdentifier=PT,pt */