Crianças em Situação de Risco/ Perigo

Apesar dos esforços realizados pelas entidades internacionais, estados e ONG's, cada vez mais as crianças de todo o mundo vêem-se privadas dos cuidados das suas famílias biológicas, devido a situações de: 
 

Orfandade - Estima-se que no final de 2003 havia 143 milhões de crianças órfãs em 93 países à volta do mundo: Asia (87,6 milhões), África Subsahariana (43,4 milhões). Durante a última década cerca de um milhão de crianças perderam os pais devido a conflitos bélicos e 15 milhões de crianças, perderam os seus progenitores devido ao vírus do VIH/SIDA.
 

Crianças separadas - As crianças podem ser separadas temporal ou permanentemente dos seus pais biológicos e das suas comunidades locais. Na última década mais de 20 milhões de crianças foram desprezadas devido a guerras, desastres naturais, dentro ou fora do seu próprio país. Milhões de crianças são submetidas ao trabalho infantil, muitos deles vivem na rua e cerca de 1,2 milhões são vítimas de tráfico infantil, maus tratos ou abandono.
 

Crianças, filhas de mães solteiras ou adolescentes - Muitas vezes as famílias encontram-se frente a uma crescente pressão económica e cada vez mais as crianças e mulheres jovens iniciam a sua atividade sexual precocemente, muitas vezes em troca de dinheiro, bens, proteção, etc. Por sua vez as crianças filhas de mães solteiras, especialmente na Ásia, África e Médio Oriente, são estigmatizados numa percentagem muito elevada, onde em muitos dos casos as mães abandonam-nos. Pois estas jovens não estão preparadas para dar às crianças, os cuidados infantis devidos.
 

Crianças retiradas às suas famílias pelo Estado - As crianças são separadas e retiradas da família biológica pelo estado quando os organismos autorizados consideram que os pais são incapazes de cuidar deles ou quando se violam os seus direitos. As razões para o retiro das crianças incluem sobretudo maus tratos, abusos, problemas com álcool, drogas, gravidezes precoces e doenças psíquicas graves. Muitas vezes, em alguns dos casos a intervenção de apoio chega muito tarde e a capacidade dos pais em cuidar das crianças é inútil.
 

Crianças vítimas de abuso doméstico - O abuso doméstico é uma das principais causas da perda dos cuidados parentais, especialmente na Europa Ocidental e América Latina. Pode ir desde a negligência, aos maus tratos físicos, psicológicos e ao abuso sexual.
 

No entanto as mortes ocorridas como consequência de maus tratos infantis, reduziram nos últimos anos, mas as taxas continuam altas. Em França, em média, 3 crianças morrem por semana como resultado de abuso físico e negligência.
 

Somente em poucos países existe legislação que proíba o abuso físico nas crianças. Na América Latina e no Caribe, seis milhões de crianças sofrem de violência física onde 70% dos quais, são casos de violência doméstica e 80.000 casos resultam em mortes.

 

As Aldeias de Crianças SOS, acreditam que:

Temos o dever de apoiar as famílias vulneráveis, particularmente as mães solteiras onde as crianças devem permanecer dentro do seio familiar biológico sempre que possível.
 

É necessário combater as causas sociais, políticas e económicas relacionadas com a crescente vulnerabilidade das crianças à volta do mundo e estabelecer medidas preventivas.
 

Os programas e serviços adequados ao acolhimento fora do agregado familiar complementam os esforços dirigidos para fortalecer e apoiar a família biológica.
 

O acolhimento fora do lar familiar converte-se numa necessidade quando outras opções de apoio falharam, esta alternativa ajuda essencialmente as crianças que de outra forma estão sem proteção.