O que representa a Aldeia SOS para uma jovem residente?

15.01.2015 -


A Lúcia expressa o que sente através da sua escrita poética. Conta-nos que adora escrever e quem sabe, talvez um dia, consiga editar um livro. Decidiu escrever este poema sobre a Aldeia de Crianças SOS de Bicesse, porque é para ela um local muito especial e único, é o sítio onde vive, num ambiente de convívio e ajuda mútua. Esta pequena comunidade de que faz parte, é como uma grande família, composta por 60 crianças e jovens, oito mães SOS, director da Aldeia e toda a sua equipa técnica.

Esta, é uma família que conta com a amizade de muitas pessoas que regularmente nos visita e que nos apoia das mais variadas formas. Todos são importantes para a Lúcia e claro, para as outras crianças e jovens que vivem na Aldeia SOS. O seu poema revela tudo isto. O mais importante, são os laços afectivos com as pessoas e com a própria Aldeia.
 

Uma Aldeia e oito mães
 
Tem um portão por onde se pode entrar,
E ver que tem treze casas,
Treze casas que acolhem,
Crianças que têm uma história de vida diferente das outras.
 
Dentro de cada casa,
Há amor e carinho para se dar.
Ao passar-se pelo portão pode se ver que,
Não tem apenas treze casas,
Onde se dá amor e carinho,
 
Ao entrar pelo portão pode ver-se que,
Tem dois campos, um clube, dois salões...
e muito mais coisas para entretermo-nos.
 
Esse lugar onde,
Entramos pelo portão,
Tem nome e o nome que deram foi,
Aldeia de Crianças SOS de Bicesse.
 
Dentro dessa Aldeia,
Tem oito mães e muitas outras pessoas,
Que gastam um pouco do seu tempo,
Para nos dar amor,
Ouvirem-nos e muitas coisas mais.
 
Elas não se cansam de mim e eu não me canso delas,
São pessoas simpáticas e fantásticas que,
Gostam de estar comigo e que,
Um dia, irão despedir-se de mim e que,
De certeza, vão ter saudades minhas.
 
Lúcia Meireles (Aldeia de Crianças SOS de Bicesse)