Histórias com amor

Madalena Garcia, sócia desde 1968

27.07.2017 - Mais uma história com amor. Partilhamos mais um testemunho daqueles que tornam a nossa missão possível. Benfeitores, Sócios e Amigos SOS são alguns dos pilares para que os nossos programas sejam reais e mudem a vida de mais de 250 crianças e jovens. A todos eles, mais uma vez, o nosso “Obrigado”!
historias com amor

Desta vez, as emoções são traduzidas em palavras por Madalena Garcia, 70 anos, Sócia das Aldeias de Crianças SOS há 49 anos.


“Conheci o projeto das Aldeias Das Crianças SOS na minha juventude, quando ainda não era mãe. Não posso contudo precisar como tive conhecimento deste projeto, atrevendo-me a dizer que tenha sido através da imprensa, talvez um artigo de jornal ou revista, que na altura tenha divulgado esta nova e benemérita instituição de acolhimento de crianças.

Lembro-me que nesse momento ter sido especialmente tocada pela à ação que se propunham desenvolver e que então dava os seus primeiros passos.

O seu objetivo, vinha preencher um vazio existente na nossa sociedade, criando uma estrutura alargada de apoio às crianças, em moldes inovadores com os quais me identificava. Esse novo modelo, já lançado noutros países europeus, como resposta às inúmeras crianças que se virão privadas da sua família, na sequência da segunda guerra mundial, baseava-se na criação de núcleos familiares agrupados em Aldeias, promovendo e proporcionar um ambiente familiar, tanto ou o mais próximo de qualquer outra família, onde cada criança acolhida se sentisse na sua família e na sua própria casa.

De um modo muito particular, talvez por ser a mais velha de uma família de sete irmãos, e por ser reconhecida como a “mãe pequenina” a quem muitas vezes recorriam quando a mãe não estava presente, levaram-se a estar especialmente sensível e desperta para essa realidade, a de haver tantas crianças privadas dessa figura absolutamente central em todas as famílias, a Mãe.

Foi por isso determinante a minha adesão de participação neste projeto, o facto de tantas crianças estarem por variadíssimas razões, privadas desse colo, dessa afetividade, desse laços de ternura que se tecem e fortalecem, numa palavra, no Amor, onde cada criança deve crescer e desenvolver a sua personalidade, desde a mais tenra idade. É nesse contexto de que cada criança aprende e desenvolve todas as suas qualidades, potencialidades e afetos, criando confiança em si própria, indispensáveis para enfrentar os desafios no seu quotidiano e no dia de amanhã na sua vida de adulto.

Este pequeno mundo familiar, não seria o mesmo sem a figura tutelar da mãe, elemento fundamental em todo este processo de criação de um ambiente harmónico, temperado com amor e confiança e, por outro lado, a convivência com os irmãos que compõem a restante família, propícia a estreitamento dos laços afetivos, desenvolvendo os sentimentos de partilha, respeito mútuo, de aprendizagem e crescimento, que hão-de fortalecer cada elemento. É nesse espaço único, que cada um ensaia e aprende a resolução e/ou o confronto com outras opiniões e situações, que um dia mais tarde a vida lhe encarregará de mostrar.

Nunca será contudo demais salientar nesse desafio maior lançado a tantas mulheres, enaltecer o altruísmo, o comprometimento, a disponibilidade que cada uma das Mães pôs um dia ao assumir dedicar a sua vida a este projeto, dando o melhor de si a esta causa maior de Amor ao próximo, neste caso as Crianças.”

Muito obrigado a esta nossa sócia pelas comoventes palavras e pela partilha. É graças a pessoas como a Madalena, que a nossa missão é possível!

* A fotografia utilizada para ilustrar esta notícia foi retirada dos arquivos SOS.