Federação Portuguesa de Golfe e Aldeias SOS de Portugal levam jovens ao golfe

13.05.2015 - A Federação Portuguesa de Golfe celebrou um protocolo com as Aldeias de Crianças SOS de Portugal. É um testemunho inédito por ser a primeira vez que as Aldeias de Crianças SOS firmam um acordo com uma federação desportiva nacional.
protocolo fpg

"A Federação Portuguesa de Golfe (FPG), através das suas ações, permite à Associação das Aldeias de Crianças SOS dar a conhecer a sua missão ao público em geral, angariar fundos e doadores particulares regulares", pode ler-se no documento assinado por Manuel Agrellos, presidente da FPG, e Filipe Carnall, presidente do Conselho Diretivo das Aldeias SOS.

O protocolo disponibiliza as instalações do Centro Nacional de Formação de Golfe do Jamor para a realização de uma clínica de um dia com as crianças, convida os mesmos para os três “Open Day” que irão realizar-se este ano e prevê a avaliação, por parte da FPG da possibilidade de realização de um torneio solidário.


 
"Nós promovemos atividades das nossas crianças fora das aldeias para fomentar a socialização", disse Manuel Matias, diretor de marketing das Aldeias de Crianças SOS.
 
"Para nós é importante estabelecer esta parceria porque fizemos no ano passado 50 anos e estamos sempre a renovar e inovar. O desporto, para além de ajudar a divulgar a nossa causa e a nossa obra, ajuda-nos a educar os jovens e as crianças. Educar não é só a escola. E o desporto, pela exigência do treino, pelas regras, pode ser uma ajuda muito importante na educação das crianças e dos jovens. Ainda mais num desporto saudável como o golfe, por toda a envolvência de prática ao ar livre, com tranquilidade, paz de espírito, o equilíbrio, a concentração e a perícia.", acrescentou Filipe Carnall, presidente do Conselho Diretivo das Aldeias SOS.
 
"Uma das funções do desporto é ser solidário e a FPG tem imenso interesse em apoiar instituições de solidariedade social. É a nossa função social. No caso da Associação das Aldeias de Crianças SOS, que lida com gente nova, é ainda mais importante. As Aldeias de Crianças SOS são muito bem-vindas ao golfe em todos os aspetos, incluindo na promoção da atividade desportiva através da juventude. Estas ações solidárias ajudam-nos também a divulgar um desporto que sempre teve a errada alcunha de elitista. As Aldeias de Crianças SOS vão ajudar-nos a desmistificar este desporto, que é realmente para todos e quem sabe se qualquer dia teremos a sair de uma Aldeia SOS o próximo Ricardo Santos? Afinal, o desporto é uma das grandes enxadas da vida na atualidade", comentou, por seu lado, Manuel Agrellos.
 
O presidente da FPG explicou ainda a razão do protocolo ter sido assinado numa altura em que o Centro Nacional de Formação de Golfe do Jamor já se apresenta como um projeto consolidado, com pouco mais de um ano de atividade: "Ainda não tínhamos optado por iniciativas deste género porque não tínhamos um campo de golfe. Esta é exatamente uma das funções de um campo público gerido por uma federação. Agora temos possibilidade de fazê-lo, no seguimento de muitas acções de solidariedade social que têm sido levadas a cabo ao longo dos anos em campos privados. É uma forma de demonstração de integração do campo na comunidade. Um campo de golfe público não é só para golfistas, é um campo integrado numa comunidade para servi-la em diversas valências. Não é só para treinos de alta competição, também serve para desenvolver um desporto permitindo, por exemplo,  acolher os jovens de uma Aldeia SOS e dar-lhes algumas alegrias através da prática desportiva. Estou seguro que este contacto com as Aldeias de Crianças SOS poderá ser um princípio e que muitos campos privados que têm sido solidários noutras iniciativas serão também sensíveis a esta causa".