50º Aniversário

Em 25 de Março de 1964 foram aprovados os estatutos da Associação das Aldeias de Crianças SOS de Portugal

13.02.2014 -

 

O trabalho desenvolvido pelas fundadoras Dra. Maria do Céu Mendes Correia e Dra. Palmira Cabrita Matias em prol das crianças socialmente desprotegidas em Portugal, fiel ao modelo pedagógico das Aldeias de Crianças SOS preconizados na Áustria pelo Dr. Hermann Gmeiner, ao qual dedicaram grande parte da sua vida, foi pioneiro no nosso país, por reunir num lar familiar, sob o cuidado, afeto e proteção de uma Mãe SOS, irmãos e irmãs de sangue que em circunstâncias normais, seriam separados e entregues ao cuidado de diferentes instituições.
 

É de louvar a fé, a tenacidade e o esforço empreendido pelas fundadoras, então jovens estudantes universitárias sem grandes recursos, para mover consciências, vencer preconceitos e conseguir o apoio de muitos amigos e benfeitores para arrancar com o projeto das Aldeias de Crianças SOS, com os resultados que hoje reconhecemos.
 

Desde 1964, as Aldeias de Crianças SOS de Portugal têm procurado apoiar muitas destas crianças desprotegidas, desenvolvendo as suas competências tendo em consideração o seu ritmo próprio e o respeito pela sua pessoa e pelo próximo, juntamente com outras crianças no seio da comunidade da Aldeia, sempre em grande abertura ao mundo exterior. Este modelo de acolhimento tem sido reconhecido por eminentes educadores, psicólogos e sociólogos como o mais adequado e eficaz, permanecendo ainda hoje de grande atualidade, para ajudar a criança a ultrapassar os traumas de infância, promover o seu desenvolvimento são e equilibrado, com vista a uma integração social bem sucedida, assente na promoção de uma cultura social de paz, iniciativa, solidariedade e responsabilidade.
 

No ano de celebração do seu cinquentenário, lembramos e saudamos com grande carinho e amizade os mais de 500 jovens que viveram nas 3 Aldeias de Crianças SOS de Portugal (Bicesse, Gulpilhares e Guarda) ou frequentaram o Centro Juvenil SOS de Rio Maior, e que hoje enquanto cidadãos plenamente integrados, muitos tendo constituído família, são protagonistas na criação de uma sociedade mais pacífica, empreendedora, mais justa e fraterna.
 

Agradecemos a todos os colaboradores, amigos, associados, voluntários e benfeitores, que entusiasticamente continuam a acreditar na nossa missão com toda a confiança e que com o seu apoio diário, tornaram o sonho das fundadoras, numa realidade. O vosso apoio tem sido da maior importância para que consigamos desempenhar com sucesso a nossa missão, seja nas famílias das Aldeias, seja junto das suas famílias de origem ou no seio de famílias de acolhimento através dos Programas de Fortalecimento Familiar SOS.

 

Um reconhecimento e agradecimento especial a todas as mães SOS que desde a primeira hora abraçaram este projeto de realização pessoal, de doação e amor a estas crianças que aceitam como suas e com elas partilham as angústias e os momentos felizes de cada conquista diária. Para todas elas, a nossa maior admiração e gratidão pela sua missão de grande dignidade e generosidade.
 

Ao comemorarmos os 50 Anos da Associação das Aldeias de Crianças SOS de Portugal, ao perspetivar o legado que recebemos, ao reconhecer o momento de dificuldades por que passam muitas famílias, a todos convidamos a uma reflexão séria e à mobilização para que “Amor e um lar para cada criança” a par da defesa intransigente dos direitos das crianças, estejam no topo das prioridades de governantes e cidadãos responsáveis do nosso País.