Aldeia SOS de Bicesse comemora 50 anos.

02.10.2017 - O trabalho desenvolvido pelas fundadoras Dra. Maria do Céu Mendes Correia e Dra. Palmira Cabrita Matias em prol das crianças socialmente desprotegidas em Portugal, fiel aos princípios do modelo pedagógico das Aldeias SOS preconizados na Áustria pelo Dr. Hermann Gmeiner, começou a tornar-se realidade na tarde desse Domingo, 29 de Outubro de 1967.


No seu discurso de inauguração da Aldeia SOS de Bicesse, cerimónia presidida pelo então Ministro da Saúde e Assistência Dr. Neto de Carvalho e que contou com a presença do Dr. Hansheinz Reinprecht, Vice-presidente e Secretário-geral da SOS Kinderdorf, do Eng. Pereira Coutinho, Presidente da Câmara Municipal de Cascais e do Sr. Embaixador da Áustria, Dr. Rudolf Ender, a fundadora Dra. Maria de Céu Mendes Correia sustentava que:

“Para fazer assistência à criança não basta prover às suas necessidades materiais é necessário satisfazer igualmente necessidades espirituais e afetivas. Os princípios desta obra derivam da reprodução tão fiel quanto possível da vida em família: o amor maternal, a segurança do lar, a comunidade familiar unida e alegre. A criança na Aldeia SOS para ter segurança viverá, com os seus irmãos e irmãs, numa casa que sentirá como sua […] ao cuidado de uma mãe que será a sua mãe para sempre. Para se integrar na sociedade a criança manterá o maior contacto possível com a vida exterior. […]Para que não falte a ação do pai na educação da criança, as casas agrupam-se em aldeias e cada Aldeia SOS terá um chefe.”

É de louvar a fé, a perseverança e o enorme esforço empreendido pelas fundadoras, à época jovens recém-licenciadas e sem grandes recursos, para mover consciências, para obter a adesão e o apoio de muitos amigos e benfeitores para esta causa tão nobre, para chamar a atenção das entidades governamentais para a pertinência da resposta social, e para arrancar com o projeto e as obras da Aldeia de Crianças SOS de Bicesse, dar-lhe corpo e orientação, com os resultados que hoje reconhecemos: Nesse dia inauguraram-se no terreno de Bicesse oferecido por Dr. José Manuel de Mello, as 2 primeiras casas, Herman Gmeiner e Maria Amélia de Mello (homenagem de Jorge de Mello a sua Mãe) e acolheram-se as 2 primeiras famílias de crianças. 2 anos depois, por ocasião também da visita do Sr. Primeiro-Ministro Marcelo Caetano e do Dr. Hermann Gmeiner, fundador das Aldeias de Crianças SOS, inauguraram-se as casas Lions, Gulbenkian e a Casa Comunitária também patrocinada por essa fundação. Em 1972, 5 anos mais tarde, na Aldeia SOS de Bicesse foram inauguradas mais 8 casas dotando-a duma capacidade de acolher e educar mais de 80 crianças.

Este modelo de acolhimento preconizado pelas Aldeias de Crianças SOS, de restabelecimento e reforço dos laços familiares, que ao longo dos tempos tem sido melhorado, aperfeiçoado e reforçado na sua vertente técnica, de reforço das competências parentais e de preparação para a autonomia, tem sido reconhecido por eminentes educadores, psicólogos e sociólogos como o mais adequado e eficaz, permanecendo ainda hoje de grande atualidade, para ajudar a criança acolhida numa Aldeia SOS a ultrapassar os traumas de infância, promover o seu desenvolvimento são e equilibrado, com vista mais tarde a uma integração social bem-sucedida, assente na promoção de uma cultura social de paz, espírito de iniciativa, solidariedade e responsabilidade.

Na festa de celebração dos 50 Anos da Aldeia SOS de Bicesse evocaremos com saudade e amizade as centenas de crianças e jovens que viveram naquela que foi a primeira Aldeia de Crianças SOS em Portugal. Estes ex-residentes são hoje cidadãos plenamente integrados, muitos tendo constituído família, são também eles protagonistas na criação de uma sociedade mais pacífica, mais empreendedora, mais justa e mais fraterna.

Um reconhecimento e agradecimento especial a todas as mães SOS que desde a primeira hora abraçaram na Aldeia SOS de Bicesse este projeto de realização pessoal, de doação e amor a estas crianças que aceitam como suas e com elas partilham as angústias e os momentos felizes de cada conquista diária. Para todas elas, a nossa maior admiração e gratidão pela sua missão de grande dignidade e generosidade.

Agradecemos a todos os colaboradores, amigos, associados, voluntários e benfeitores, que entusiasticamente continuam a acreditar na nossa missão  com toda a confiança e que com o seu apoio diário, tornaram o sonho das fundadoras, numa realidade. O vosso apoio tem sido da maior importância para que consigamos desempenhar com sucesso a nossa missão de proporcionar o amor, um lar, uma infância feliz, saúde e educação condignas a cada vez mais crianças que “por orfandade ou abandono se encontram privadas de ambiente familiar, de um lar, de afetos e educação” [Dra. Maria do Céu Correia – discurso do dia da inauguração]