As cicatrizes do terramoto são profundas

Kathmandu Valley

04.05.2015 -


Na calçada de uma rua estreita em Bhaktapur, famosa pela sua Praça Durbar, encontrámos Pravin, 13 anos de idade, com o rosto ferido pelo terramoto.
 
"Estava a ver televisão quando o terramoto aconteceu. Senti muito medo. Todas as casas tremiam ao meu redor. Eu estava no segundo andar. Quando senti o terramoto, corri para a minha mãe que estava no andar de cima, quando a minha casa ruiu. Fiquei enterrado debaixo dos tijolos que me atingiram no rosto, mas tive alguma sorte por ter ficado preso atrás do frigorífico que tinha caído em cima de mim e que me protegeu. Estava ferido, mas seguro. Depois ouvi as pessoas que procuravam socorrer e começaram a cavar. Como as minhas pernas ficaram visíveis, conseguiram tirar-me dos escombros puxado por uma perna. Depois de me puxarem para fora dos escombros, fui carregado às costas e levado para o Hospital de Bhaktapur, em seguida, deslocaram-me para o Madhyapur Hospital e, finalmente, para o Hospital KMC em Kathmandu."
 
Pravin tem uma expressão de dor quando fala e os seus olhos injetados de sangue contam uma história de trauma profundo.
 
A mãe de Pravin diz que por causa da sua queda, ele precisava de uma tomografia computadorizada. Como todos os hospitais estavam caóticos dado o número de feridos, era difícil fazer o exame. Então, foi transferido para três hospitais diferentes. Após quatro dias, Pravin teve alta hospitalar.
 
"Dói-me muito, o rosto. Estou a tomar medicamentos. O médico disse-me para voltar daqui a uma semana".
 
O irmão de Pravin, Sabin, 16 anos de idade, quando se deu o terramoto caiu de um escadote e ficou com um braço partido e um corte na cabeça.
 
Os pensamentos de Pravin voltaram-se para a sua escola: "Não sei se a minha escola está danificada ou não. Estou com muito medo de voltar. Temo que possa haver mais terramotos."
 
"Os meus livros, mochilas e roupas estavam na minha casa e agora não tenho nada." Murmura Pravin, que veste roupas dadas pelos vizinhos.
 
Os restos da casa de Pravin são acessíveis através de um único beco estreito, com casas danificadas em ambos os lados, com inclinações perigosas. A casa de Pravin foi reduzida a uma pilha de tijolos, concreto, madeira e barras de ferro dobradas e a sua família não consegue recuperar os seus objetos de valor.
 
"Não temos como reconstruir a nossa casa. Não sei como vamos viver.", diz a mãe de Pravin olhando para os escombros.

Preencha o formulário online Easypay e no campo 3, escolha a campanha Terramoto no Nepal". Obrigado pela sua solidariedade! Os donativos serão entregues à SOS Children’s Villages International.


Se preferir fazer o seu donativo por transferência bancária:

CONTA SOLIDÁRIA PARA APOIAR AS CRIANÇAS VÍTIMAS DO TERRAMOTO NO NEPAL
NIB:  0035 0734 00020613 930 55
IBAN:  PT50 0035 0734 00020613 930 55
BIC / Swift : CGDIPTPL